PROXIMAS LUTAS UFC 2014

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Inscrições para programa ProUni começam nesta segunda-feira (26)

Interessados em obter bolsas de estudo em instituições particulares de ensino superior já podem consultar na página do programa as bolsas disponíveis

As inscrições para o programa Universidade para Todos (ProUni) serão abertas nesta segunda-feira (26). Os interessados em obter bolsas de estudo em instituições particulares de ensino superior já podem consultar na página do programa as bolsas disponíveis. Nesta edição, o ProUni ofertará 213.113 bolsas, sendo 135.616 integrais e 77.497 parciais. As bolsas são destinadas a 30.549 cursos e distribuídas por 1.117 instituições. As inscrições podem ser feitas até o dia 29 na página do ProUni. O candidato que se inscreveu no Sistema de Seleção Unificada (Sisu) também pode participar do ProUni. Para se inscrever, é preciso ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2014 e obtido, no mínimo, 450 pontos na média das notas. Além disso, não pode ter tirado 0 na redação. Outra condição é ainda não ter diploma de curso superior.

As bolsas integrais são para estudantes que cursaram o ensino médio nas redes pública ou particular, na condição de bolsista integral. Também é necessário comprovar, por pessoa, renda bruta familiar até um salário mínimo e meio. Para as bolsas de 50% da mensalidade, a renda bruta familiar deve ser até três salários mínimos. Professores do quadro permanente da rede pública de ensino, que concorrerem a cursos de licenciatura, também podem participar do ProUni. Nesse caso, não é necessário comprovar renda. A seguir os cursos com maior oferta de bolsas: Administração (22.050); Pedagogia (15.562); Direito (15.010); Ciências contábeis (11.917); Engenharia civil (8.405); Educação física (8.181); Gestão de recursos humanos (6.854); Enfermagem (6.801); Psicologia (5.307); Engenharia de produção (5.284).

fonte: http://acritica.uol.com.br/noticias/Inscricoes-ProUni-comecam-amanha_0_1291670835.html

domingo, 25 de janeiro de 2015

Libéria vai testar primeira vacina contra o vírus ebola

 
Nova Iorque - ALibéria, o país mais afetado pelo vírus ebola, vai testar a primeira vacina experimental contra a doença. A vacina já mostrou bons resultados em laboratório na Grã-Bretanha. É segura, segundo os pesquisadores, mas ainda falta verificar se funciona na prática, num local onde existe o ebola. Trinta mil voluntários vão participar dos testes na Libéria, no oeste da África, região onde ocorre um surto da doença. Muitos deles são médicos e outros profissionais de saúde que cuidam dos doentes.

Os responsáveis pelo laboratório britânico consideram esses primeiros testes fundamentais para acelerar o desenvolvimento de vacinas mais eficientes. Outras empresas também tentam achar formas de combater o ebola. Ainda falta algum tempo para que a vacina se torne disponível e ajude a prevenir a doença que já matou mais de 8,6 mil pessoas em um ano, mas é uma esperança. O primeiro carregamento da vacina experimental para o ebola produzida pela farmacêutica GlaxoSmithKline foi enviado, na sexta-feira (23), à Libéria, informou a empresa britânica.
Na quinta-feira, a Organização Mundial da Saúde (OMS) declarou que o surto de ebola na África Ocidental, o pior já registrado, parece estar regredindo, mas alertou contra o relaxamento. A epidemia causou 21.724 casos em nove países desde que começou na Guiné há um ano.
A remessa inicial de 300 ampolas de vacina da GSK será a primeira a chegar a um dos três países africanos mais afetados pela doença. Ela será usada nos primeiros testes de grande escala da vacina nas próximas semanas, e os agentes de saúde que ajudam a cuidar de pacientes estarão entre os primeiros a recebê-la.
Os pesquisadores esperam inscrever até 30 mil pessoas na fase de testes durante as próximas semanas, um terço dos quais devem receber a vacina da GSK. O medicamento, codesenvolvido pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH) e pela Okairos, empresa de biotecnologia comprada pela GSK em 2013, está sendo usado atualmente em testes de segurança de fase 1 na Grã-Bretanha, nos EUA, na Suíça e no Mali, com cerca de 200 voluntários. “Os dados iniciais da fase 1 são encorajadores e nos dão confiança no progresso nas próximas fases que irão envolver a vacinação de milhares de voluntários”, disse Moncef Slaoui, responsável do setor de Vacinas Globais da GSK.

Estudo usa material congelado de chimpanzé

A nova vacina, a primeira a ser usada na África, usa um tipo de vírus congelado de chimpanzé para fornecer material genético seguro da cepa de ebola do Zaire, responsável pela nova epidemia no oeste africano.    Dados mostram que a vacina é segura para humanos, incluindo a população da região africana mais atingida, e em uma variedade de dosagens, informou a GSK, que já escolheu a dose mais apropriada para o teste na Libéria. O cientista Moncef Slaoui, responsável do setor de Vacinas Globais da GSK, enfatizou que o remédio da GSK, assim como de outros candidatos, como os da colaboração entre a NewLink Genetics e a Merck, da Johnson & Johnson e da Bavarian Nordic, ainda encontra-se em desenvolvimento e não pode ser utilizado até que se mostre seguro e eficaz durante os testes. Comentando o avanço contra o surto de vírus ebola e as vacinas em desenvolvimento, Jeremy Farrar, diretor da instituição de caridade britânica Wellcome Trust, disse: “Este certamente não é o momento de reduzir os esforços. Não há dúvida de que precisamos de novas vacinas e terapias para esta epidemia e tentar evitar e reagir às inevitáveis epidemias futuras”, afirmou ele. Nenhum efeito colateral semelhante foi verificado durante os testes com a vacina da GSK. Mas pacientes já infectados e que sobreviveram ao vírus ebola serão excluídos desse teste, segundo a GSK.

OMS admite que a situação é ‘extremamente alarmante’

Serra Leoa, um dos três países mais afetados pelo ebola, suspendeu na sexta-feira as medidas de quarentena impostas no auge da epidemia de febre hemorrágica no oeste da África, enquanto a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou que a crise ainda é “extremamente alarmante” apesar da queda de incidência de novos casos da doença. Apesar deste recuo sensível, a situação continua sendo extremamente preocupante nos três países mais atingidos, segundo a OMS, referindo-se à Libéria, Serra Leoa e Guiné. A organização está preocupada com uma possível diminuição da vigilância e cuidados, já que os meios financeiros e pessoal médico continuam sendo insuficientes e que a futura temporada de chuvas pode complicar a luta contra a erradicação da enfermidade. Mais cedo, o presidente de Serra Leoa, Ernest Bai Koroma, anunciou o fim de todas as medidas de quarentena tomadas para lutar contra o ebola devido ao retrocesso da epidemia no país, que tem o maior número de casos registrados. “As restrições à circulação da população serão reduzidas para fomentar a atividade econômica. Já não haverá restrições deste tipo a nível local ou provincial”, afirmou Koroma em um discurso transmitido pela rádio e pela televisão na quinta-feira à noite.

O país do oeste-africano, com 6 milhões de habitantes, restringiu as viagens à metade de sua população, isolou seis de seus 14 distritos e muitas supremacias tribais, em resposta a um surto que matou mais de 3 mil serra-leoneses. Koroma apontou uma “tendência descendente contínua” de novos casos nas últimas semanas e acrescentou que “a vitória está á vista”. Mas o anúncio ocorreu no mesmo dia em que a OMS declarou a situação como “extremamente alarmante” e que os avanços feitos até agora poderão ser rapidamente perdidos, a menos que se disponibilize US$ 250 milhões para dar continuidade à luta contra a doença nos próximos meses. “Ainda estamos em uma situação muito, muito perigosa com este vírus”, disse a jornalistas, em Genebra, o número dois da OMS, Bruce Aylward.

fonte: http://new.d24am.com/noticias/mundo/liberia-testar-primeira-vacina-contrao-virus-ebola/128093

Mototaxista é preso em flagrante com três quilos de drogas no município de Tefé

 

Manaus - O mototaxista Delson Carlos da Silva Lemos, de 33 anos, foi preso, em flagrante, no município de Tefé (distante 523 km em linha reta de Manaus), por tráfico de drogas. A ação policial, coordenada pelo delegado adjunto Rodrigo Torres, foi resultado de uma investigação que durou 15 dias e teve início a partir de denúncias anônimas, informando que um homem comercializava drogas em uma residência no município, situada na rua Diogo Torres, bairro São Francisco. De acordo com o delegado, a equipe montou campana nas proximidades da casa durante a tarde de quinta-feira. Por volta das 20h, os policiais civis realizaram abordagem. Durante revista, foram localizados dentro de um balde, no quintal da casa, 2 kg de substâncias com características de pasta-base e cocaína, divididas em quatro pacotes.

No quarto de Delson foi encontrado mais 1 kg com substância semelhante à pasta-base, dividida em 10 pacotes pesando 100g cada. “O Delson contou que conseguiu a droga com um homem da cidade de Coari e que estava guardando o material para depois devolver para esse homem. Porém, temos a informação de que ele iria comercializar o entorpecente no município”, ressaltou Torres. Na unidade de polícia, Delson foi autuado por tráfico de drogas e encaminhado à unidade prisional do município, onde ficará à disposição da justiça.

fonte: http://new.d24am.com/noticias/amazonas/mototaxista-preso-flagrante-tres-quilos-drogas-municipio-tefe/128113

sábado, 24 de janeiro de 2015

Morte de menina de 11 anos mostra perigo de usar celular ligado à tomada

A família informou aos médicos que a menina, que não teve o nome divulgado, levou um choque enquanto jogava no aparelho celular

A morte de uma menina de 11 anos após sofrer uma parada cardiorrespiratória, na última segunda-feira (19), no Distrito Federal, em decorrência de choque elétrico enquanto utilizava o celular com o aparelho ligado à tomada chamou atenção para os risco da prática. A garota, que não teve o nome divulgado, foi atendida no Hospital Regional de Ceilândia por três pediatras, um cirurgião e uma clínica médica, segundo a Secretaria de Saúde. Ela foi submetida a reanimação cardiopulmonar durante uma hora e dez minutos, mas não sobreviveu. A família informou aos médicos que a menina levou um choque enquanto jogava em um aparelho celular ligado à tomada. Segundo a capitã Juliana Leal, do Corpo de Bombeiros do Distrito Federal, a situação se agravou porque houve sobrecarga de energia. “O chão estava molhado e eles botaram um ventilador e um celular na mesma tomada e a menina tomou um choque fatal”, disse.

“As pessoas devem ter cuidado quando forem arrumar a casa para não deixar que a fiação entre em contato com a água. É importante também ter cuidado com as tomadas e não deixar sobrecarregar. Quando o carregador está estragado ou há problema de instalação elétrica, potencializa o risco de choque”, afirma Juliana. Segundo a engenheira elétrica Marylene Roma, professora do Instituto Federal de Brasília, o risco de usar o celular ligado à tomada aumenta quando a instalação elétrica da casa está deteriorada. “Usar uma extensão, que a gente coloca quatro, cinco equipamentos, é muito perigoso, pois sobrecarrega a tomada. Às vezes, colocamos até dez vezes mais carga que o suportado por uma tomada”, disse. “O equipamento que a criança estava usando, nesse caso, era um celular, mas ela podia estar com um video game e ter acontecido a mesma coisa”, avalia Marylene. A professora recomenda que a instalação elétrica da casa seja revisada regularmente por um profissional especializado. “Não se deve atender o celular na tomada, nem puxar o cabo do aparelho enquanto carrega ou usar baterias e carregadores que não sejam originais”, acrescenta Marylene.

A professora também orienta carregar a bateria de celulares longe de locais inflamáveis, evitar ligar aparelhos nas tomadas do banheiro enquanto o chuveiro estiver ligado, pois a umidade aumenta os riscos de acidente. “A recomendação é colocar em lugares que, se acontecer curto-circuito e incêndio, não prolifere fogo pela casa inteira. Colocar longe de cadeiras, mesas, camas - o que a gente faz regularmente. Mas é melhor colocar no chão e bem longe de um local inflamável”, completa.

FONTE: http://acritica.uol.com.br/noticias/manaus-amazonas-amazonia-Morte-menina-perigo-celular-ligado-tomada-Brasil_0_1291070900.html

‘So u um preso político; corro risco de morte’, diz Adail Pinheiro, em entrevista exclusiva ao A CRÍTICA

Preso no batalhão da PM em Manaus há um ano, por suspeita de crimes de prostituição infantil, o prefeito cassado do município de Coari faz acusações contra políticos do Amazonas e diz que foi usado como “bode expiatório”

A edição deste domingo (25) do jornal A CRÍTICA traz uma entrevista exclusiva concedida pelo prefeito cassado do município de Coari (distante 363 quilômetros de Manaus), Adail Pinheiro, que falou de dentro do batalhão onde está preso, no Comando de Policiamento Especial (CPE), no bairro Dom Pedro, em Manaus. Essa é a primeira entrevista que Adail concede desde que foi encarcerado, há um ano, por suspeita de crimes de prostituição infantil. O caso ganhou repercussão nacional. Na entrevista, o prefeito cassado de Coari acusa frontalmente o ex-governador Amazonino Mendes (PDT) de influenciar nas ações feitas contra ele.

Adail revela as motivações de Amazonino e também lembra, durante a entrevista, que sempre fez parte do grupo político ao qual pertencia o atual ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga (PMDB), o senador eleito pelo Amazonas Omar Aziz (PSD) e deputado federal eleito Alfredo Nascimento (PR). “Eu não sou um preso comum, a minha prisão é política. Eu corro risco de morte muito grande se for para uma penitenciária (...). Fui pego como pode expiatório desse Estado”, afirmou Adail, que também acusa o atual prefeito de Coari, Igson Monteiro (PMDB), de comandar uma quadrilha, e também disparada contra o Poder Judiciário. Na entrevista, Adail também conta detalhes de como é a rotina dele na cadeia. O prefeito cassado tem nome citado em dezenas de processos na Justiça do Amazonas e em instâncias superiores, por crimes contra a administração pública. O conteúdo completo da entrevista com Adail Pinheiro está nas bancas ou disponível para assinantes.

fonte: http://acritica.uol.com.br/noticias/preso-politico-corro-risco_0_1291070897.html

Justiça Federal do AM condena à prisão o ex-prefeito de São Paulo de Olivença

A Justiça Federal no Amazonas atendeu ao pedido do Ministério Público Federal no Amazonas (MPF/AM) e condenou o ex-prefeito de São Paulo de Olivença (a 988 quilômetros a oeste de Manaus) Hamilton Lima do Carmo Fermin a sete anos de reclusão e um ano e sete meses de detenção, pelos crimes de desvio de verba pública para proveito próprio e pela não prestação de contas da aplicação de recursos recebidos destinados a obras de saneamento básico e fornecimento de água potável na região do Alto Solimões.

A ação tem como base denúncia feita pelo MPF por meio da Procuradoria da República no Município de Tabatinga (PRM/Tabatinga), referente ao convênio realizado entre a Fundação Nacional de Saúde (Funasa) e a prefeitura de São Paulo de Olivença, no valor de aproximadamente R$ 888 mil para a construção de sistema de abastecimento de água nas áreas indígenas de Vendaval, Campo Alegre, Paranapara, Santa Inês, São Domingos 1 e 2, Otawari, Decuapu e Santa Teresinha do Jacurapá.

Durante o mandato de Hamilton, como prefeito de São Paulo de Olivença o município recebeu, em 2003, o valor aproximado de R$ 532 mil relativos à primeira e segunda parcelas para a execução da obra. Em 2004, foram realizadas duas visitas técnicas ao local. Na primeira vistoria constatou-se apenas 3,83% de execução das obras, já na segunda visita a execução era de apenas 10%. 

fonte: http://new.d24am.com/noticias/politica/justica-federal-condena-prisao-prefeito-saopaulo-olivenca/128071
 

MP faz segredo sobre apuração de irregularidades em Coari

 

Manaus - O Ministério Público do Estado (MP-AM) mantém em segredo as informações obtidas pela comissão enviada a Coari (a 363 quilometros de Manaus), na última terça-feira, para apurar denúncias de irregularidades na administração do prefeito Igson Monteiro (PMDB). Segundo a assessoria de comunicação do MP, as informações só serão divulgadas quando a comissão concluir o relatório sobre o que foi apurado nos três dias em que esteve no município, para não prejudicar as investigações.
O procurador-geral em exercício, Pedro Bezerra Filho, disse que a comissão tem até a próxima sexta-feira para concluir e apresentar o relatório, informou a assessoria de comunicação. 

Além do MP-AM, o juiz do município, Igor Carvalho Leal,  também determinou sigilo em relação aos mandados de prisão temporária de 25 pessoas identificadas pela Polícia Civil de Coari como responsáveis pelos atos de vandalismo que ocorreram após protestos contra o atraso no pagamento de salários de servidores municipais. Segundo o delegado Luiz Rocha, o juiz o orientou a não passar informações à imprensa sobre os pedidos de prisão. Na última quarta-feira, os manifestantes acabaram depredando o prédio da Câmara Municipal e casas de vereadores, além de saquearem e incendiarem imóveis do prefeito e da família dele. Segundo a assessoria do MP, a comissão esteve em Coari para poder produzir provas concretas, documentais e testemunhais e, no relatório, apresentar uma medida que o órgão tomará quanto à situação em Coari.

Ainda de acordo com a assessoria do MP-AM, o procurador-geral de Justiça, Fábio Monteiro, que retorna de férias na próxima terça-feira, deu total autonomia para a comissão usar o tempo necessário para elaboração deste relatório. A comissão do MP-AM, composta pelo procurador de Justiça Púbio Caio; promotor de Justiça do CAO-Crimo, Alberto Nascimento Júnior; promotor de Justiça Igor Peixoto da Comarca de Boa Vista do Ramos e pelo major da Polícia Militar do Amazonas, Algenor Teixeira, chefe da Assistência Militar do MP-AM, e mais dois oficiais da PM, enquanto esteve em  Coari, ouviu o prefeito interino, Iliseu Monteiro (PMDB), presidente da Câmara Municipal e irmão do prefeito em exercício, cassado, Igson Monteiro. 

Iliseu se comprometeu a pagar os salários atrasados dos funcionários públicos, que, segundo o prefeito, seriam 20% do salários atrasados do mês dezembro do ano passado e o 13º salário, que motivaram os protestos da última quarta-feira. Iliseu informou à comissão que iniciaria os pagamentos nesta semana e, até o dia 5 de fevereiro, tudo estaria quitado. Além do prefeito, a comissão ouviu o delegado da Polícia Civil, Luiz Rocha, o juiz de Coari, Igor Carvalho Leal, e o promotor de Justiça, Felipe Fish.

Os promotores também tinham a intenção de ouvir funcionários públicos e população, mas a assessoria de comunicação do MP-AM não confirma se eles foram ouvidos. O relatório será analisado pelo procurador Fábio Monteiro, que junto a toda a escola de promotores definirá como divulgar as informações, pois segundo a assessoria do MP-AM, dependendo do resultado e do que foi apurado, algumas informações podem não ser divulgadas.  Ainda de acordo com a assessoria, o prazo para entrega deste relatório pode ser adiantado ou prorrogado.

fonte:http://new.d24am.com/noticias/politica/segredo-sobre-apuracao-irregularidades-coari/128077

OMS adverte que epidemia de ebola ainda é preocupante

Após mais de seis meses, combate à epidemia que afeta principalmente alguns países da África Ocidental deu alguns resultados

A Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou nesta sexta-feira (23) que o combate à epidemia de ebola continua extremamente difícil e a situação, muito preocupante. Em entrevista coletiva, o diretor-geral adjunto da OMS e responsável pela resposta operacional à epidemia, Bruce Aylward, advertiu contra falsos otimismos. “Faço uma analogia: há seis meses, havia duas cobras na cama, e ninguém podia deitar-se ali. Agora, só há uma cobra, mas isso não significa que podemos apagar a luz e dormir”, disse Aylward.

Após mais de seis meses, o combate à epidemia que afeta alguns países da África Ocidental – Guiné Conacri, Libéria e Serra Leoa -, deu alguns resultados. Pela primeira vez desde que começou o surto, os três países registraram, durante quatro semanas seguidas, diminuição dos casos de contágio. Nos últimos 21 dias (o período de incubação do vírus é de aproximadamente três semanas), foram registrados 463 casos, entre suspeitos e prováveis, em Serra Leoa; 109 na Guiné Conacri e 21 na Libéria, “o que constitui uma redução substancial, uma tendência muito bem-vinda”, acrescentou o diretor da OMS. Ele ressaltou, porém, que a OMS está preocupada porque essa diminuição de casos “pode originar uma certa indolência”, que seria o pior risco. “O objetivo deve ser unicamente a redução dos casos a zero.” Atualmente, um dos aspetos mais preocupantes é que só 50% das infecções registradas têm origem em uma lista de contatos, o que significa que existem muitos núcleos de transmissão desconhecidos.

Segundo Aylward, outro aspeto preocupante é o fato de existir uma forte transmissão nas capitais dos três países, situação que dificulta o controle do contágio, dado o grande número de pessoas, as constantes movimentações, a falta de controle social e as migrações. Em termos globais, 21.296 pessoas foram infectadas pelo ebola desde o início do atual surto, há cerca de um ano, e, conforme os dados mais recentes da OMS, 8.429 morreram.

fonte: http://acritica.uol.com.br/noticias/OMS-adverte-epidemia-ebola-preocupante_0_1290470995.html

sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Google planeja investir US$ 1 bilhão em projeto de internet espacial

 

São Paulo - O Google está negociando um investimento de US$ 1 bilhão na SpaceX, empresa de tecnologia do empreendedor americano Elon Musk, criada com o objetivo de reduzir os custos de viagens espaciais. Segundo o site Intercept, fontes familiarizadas com as conversas afirmam que aliança tem o objetivo de impulsionar o desenvolvimento de uma internet espacial, por satélites, para atender aos anseios do Google de levar internet a baixo custo para bilhões de pessoas no mundo que ainda não têm acesso à rede.

Segundo as fontes, outros investidores participariam da rodada de investimento, que teria um valor total ainda maior que US$ 1 bilhão. Esse aporte elevaria o valor de mercado da SpaceX para US$ 10 bilhões.
Há poucos dias, a principal rival da SpaceX, a OneWeb, da Virgin Group, anunciou seus planos de criar uma internet global por satélite por meio de uma parceria com a Qualcomm. Segundo a revista Fortune, a Virgin teria uma vantagem competitiva diante da Space X, por já possuir um espectro de rádio para transmissão de dados. Mas qual seria o motivo para o Google investir tanto especificamente na SpaceX? Tanto Elon Musk quanto sua empresa SpaceX ainda são pouco conhecidos da maioria dos brasileiros.
A empresa quase faliu, mas foi salva por um contrato de US$ 1,6 bilhão com a Nasa, que utiliza os equipamentos da empresa no lugar dos antigos ônibus espaciais, em missões para a Estação Espacial Internacional. O plano de Musk no longo prazo é criar voos comerciais para a Lua e Marte e colonizar o planeta vermelho, algo que ele acredita ser possível em um prazo de 20 anos.

O Google, assim como o Facebook, sonha em conectar todo o planeta à internet, fornecer acesso de baixo custo para as bilhões de pessoas que ainda não têm conexão com a rede e explorar esse novo mercado. Para isso, criou o Project Loon, que usa balões de alta tecnologia para levar o acesso à internet a locais em que as pessoas ainda não estão conectadas, como em áreas remotas ou rurais. A empresa já fez testes no Brasil. No ano passado, o Google comprou a empresa de drone Titan Aerospace. Um dos motivos para a compra seria a capacidade dos drones da empresa de se manter em voo por até cinco anos sem descer a terra, o que ajudaria Project Loon. O investimento na SpaceX teria como objetivo o desenvolvimento da uma internet espacial. Em um evento recente, o presidente executivo do Google, Larry Page, declarou que preferia doar bilhões para Elon Musk do que para a filantropia, porque capitalistas como ele têm ideias que podem mudar o mundo.

É uma rede mais rápida e barata que permitiria conectar a Terra a outros planetas e a levar conexão com a internet mais facilmente para regiões remotas por meio de satélites, sem depender de cabos submarinos. Na sexta-feira, Musk revelou publicamente o seu projeto de construir uma internet espacial, com um investimento inicial de US$ 15 bilhões e centenas de satélites dispostos a 1,2 mil Km da Terra, abaixo dos satélites de comunicação convencionais, o que possibilitaria que a internet espacial tenha uma velocidade semelhante a da fibra ótica terrestre. A ideia é desenvolver a rede para que de 10 a 12 anos ela possa conectar a Terra a outros planetas.

fonte: http://new.d24am.com/noticias/tecnologia/google-planeja-investir-1-bilhao-projeto-internet-espacial/128013

Condenado pela Justiça Federal, prefeito de Barcelos terá que devolver R$ 23 mil

O prefeito teve seus direitos políticos suspensos por cinco anos, mas ele só será cassado se houver condenação definitiva

A Chefia de Gabinete do prefeito de Barcelos (a 396 quilômetros de Manaus), José Ribamar Fontes Beleza (PMDB), informou que ele vai recorrer da decisão da Justiça Federal que o condenou a devolver R$ 23 mil aos cofres públicos referentes a irregularidades em um convênio no primeiro mandato de Beleza (1996/2000). O prefeito teve seus direitos políticos suspensos por cinco anos, mas ele só será cassado se houver condenação definitiva, quando forem esgotados os recursos. A decisão, de maio de 2014, é da juíza federal Jaíza Maria Pinto Fraxe e é referente a uma ação movida pelo Ministério Público Federal no Amazonas (MPF-AM).  José Beleza foi condenado pela prática de improbidade administrativa na gestão de um convênio com o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (MDIC).

O caso

Na gestão de Beleza, em dezembro de 1999, a prefeitura firmou convênio com o MDIC para a construção de terminal de passageiros, carga e entreposto de pescado em balsa de 300 metros quadrados, equipada com fábrica de gelo e câmaras frigoríficas, tendo sido repassado para sua execução o valor de R$ 500 mil, em parcela única, creditados no dia 5 de Maio de 2000. Finalizado o prazo para a execução do convênio, foi realizada a prestação de contas à Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa), em 29 de dezembro de 2000, e as contas foram aprovadas ainda que pendentes da fiscalização final do projeto.

A fiscalização final ocorreu em agosto de 2001, quando foi constatada a inexecução de serviços no valor aproximado de R$ 19 mil. O relatório técnico da Suframa constatou que o objeto do convênio não foi realizado em conformidade com o projeto básico aprovado pela Suframa. Outras fiscalizações foram realizadas, nas quais, segundo a decisão, foram constatadas irregularidades que em avaliações posteriores, evidenciaram além da execução parcial da obra, a ausência de grupo gerador e o não funcionamento do motor da fábrica de gelo. Verificou-se ainda, o pagamento de serviços não executados ou apenas parcialmente realizados. A defesa do prefeito alega que já houve prescrição porque entende que o prazo para prescrever corre a partir do fim do mandato em que ocorreu o convênio, sem que se considere a existência de segundo para o qual foi reeleito. Os advogados sustentam que e a representação só foi movida dois anos após o término do mandato dele, em 2006, por adversários políticos.

Eles alegam também que as contas do convênio haviam sido aprovadas e que, por verificação in loco, a obra recebeu fartos elogios do órgão competente. Segundo os advogados, prestação de contas foi regular e não houve enriquecimento ilícito. Por fim, eles alegam que o MPF não apresentou provas suficientes. O MPF, por outro lado, afirma que Beleza cometeu ato de improbidade administrativa ao causar dano aos cofres públicos por irregularidades na execução do convênio firmado MDIC. Apesar de executado em grande parte, o MPF afirma que após sucessivas fiscalizações, a ocorrência de irregularidades tais como sobrepreço de determinados itens e uso de materiais de qualidade inferior à prevista no projeto.

fonte: http://acritica.uol.com.br/noticias/Condenado-Justica-Federal-Barcelos-devolver_0_1289871045.html

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

WhatsApp vai banir quem usa aplicativos ‘paralelos’

 

São Paulo - Se você é usuário de aplicativos que modificam o WhatsApp como WhatsApp+ e WhatsAppMD, é melhor dar adeus a esses produtos se quiser continuar usando o original. O WhatsApp iniciou uma campanha agressiva para fazer com que usuários parem de utilizar software que não foi desenvolvido ou autorizado pela empresa. Usuários cadastrados nestes aplicativos estão sendo descadastrados do WhatsApp por 24 horas e só poderão voltar a usá-lo se desinstalarem o app derivado. A rigidez da medida leva a crer que o WhatsApp quer varrer do mapa os apps paralelos.

“O WhatsApp Plus contém códigos fonte, os quais o WhatsApp não garante serem seguros e também não garantimos que suas informações pessoais não estejam sendo repassadas a terceiros sem que você saiba ou sem sua autorização”, alerta o texto publicado no FAQ da empresa. O WhatsApp+ permite modificar o visual do WhatsApp, alterando cores e outros elementos. Com ele, também é possível aumentar o limite de upload de conteúdo como vídeos ou música (o WhatsApp oficial só autoriza 16 megabytes). Já o WhatsApp MD proporciona ao visual do aplicativo uma roupagem “material design” (a nova identidade visual lançada pelo Google para o Android L). As comunidades do WhatsApp+ e do WhatsAppMD no Google+ postaram mensagens de esclarecimento aos seus usuários. Prometem driblar a restrição em breve, permitindo que suas versões voltem a ser usadas.

FONTE: http://new.d24am.com/noticias/tecnologia/whatsapp-banir-quem-aplicativos-paralelos/127876

Williams saí na frente e é a primeira equipe a apresentar carro para a temporada 2015

Novo projeto deu uma "leve dor de cabeça" aos projetistas, segundo informou a própria Williams. Equipe inglesa vai correr este ano com os motores Mercedes

A Williams conseguiu um primeiro lugar nesta quarta-feira (21), ao apresentar seu carro para 2015 antes de qualquer outra equipe da Fórmula 1. A escuderia divulgou imagens de seu carro FW37, equipado com motores Mercedes, através de seu site oficial e na capa da revista F1 Racing. A Force India deve apresentar seu novo modelo em um evento na Cidade do México mais tarde nesta quarta.

O carro do ano passado tirou a Williams do ostracismo e levou a equipe ao terceiro lugar no campeonato. O de 2015 foi redesenhado para atender a novas regras criadas para acabar com soluções "feias" adotadas pelas equipes. O diretor técnico da Williams, Pat Symonds, reconheceu que o novo modelo representou uma "leve dor de cabeça" para os projetistas, uma vez que o carro terá um bico mais curto. "A nova geometria da frente e do bico tiveram um impacto bem maior do que esperávamos inicialmente, e o efeito na aerodinâmica foi profundo", disse em comunicado. "A equipe trabalhou duro para recuperar a diferença que esses regulamentos tiveram para nós", acrescentou. A Williams terminou à frente de Ferrari e McLaren na temporada passada, a primeira disputada com os novos motores turbo híbridos V6. A escuderia ficou atrás apenas da campeã Mercedes e da Red Bull. Sem maiores mudanças nas regras para este ano, a equipe espera que seus pilotos Felipe Massa e Valtteri Bottas possam brigar por vitórias no próximo campeonato, que começa na Austrália em 15 de março.

FONTE: http://acritica.uol.com.br/craque/Williams-frente-equipe-apresentar-temporada_0_1289271079.html

terça-feira, 20 de janeiro de 2015

Procuradores chegam a Coari para apurar denúncias

 

Manaus - O Ministério Público do Amazonas (MP-AM) enviou, na manhã desta terça-feira (20), uma equipe de procuradores à Coari para verificar as denúncias de falta de pagamentos de funcionários da prefeitura que motivaram o quebra-quebra na última quarta-feira (14), no município a 363 quilômetros da capital. O Procurador-Geral de Justiça (PGJ) do MP-AM, em exercício, Pedro Bezerra Filho afirma que  a situação de Coari é preocupante e explica que a comissão enviada atuará, também, dando suporte ao trabalho do Promotor de Justiça da Comarca de Coari,  Felipe Fish, para dar celeridade às providências que o MP-AM deve tomar em relação ao ocorrido.

“O Ministério Público preocupado em função dos últimos acontecimentos decidiu mandar um grupo de membros de servidores a Coari, o grupo se deslocou às 7h30 da manhã de hoje e a orientação é que primeiro façam a verificação dos reclames dos funcionários públicos que dizem que não têm recebido seus vencimentos. Se a prefeitura estiver faltando com o dever ela será alvo de ação do MP”, declarou Bezerra. A comissão do MP-AM é formada pelo Procurador de Justiça Público Caio Bessa Cyrino,  promotor de Justiça do CAO-Crim, Alberto Nascimento Júnior, promotor de Justiça Igor Peixoto da Comarca de Boa Vista do Ramos e pelo major da Polícia Militar do Amazonas, Algenor Teixeira, Chefe da Assistência Militar do MP-AM, acompanhado de mais dois oficiais da PM, da Equipe de Inteligência do quadro do MP-AM.  Mesmo estando de férias o procurador-geral de Justiça, Fábio Monteiro, esta acompanhando  caso de Coari por intermédio da Procuradoria Geral de Justiça (PGJ). Ele considera que a ida da comissão  é  importante para identificar os motivos que levaram ao quebra-quebra da semana passada, com vistas a identificar os responsáveis.

“É importante que se diga que não estamos indo a Coari para trabalhar contra a população. Claro que não compactuamos com o que ocorreu, mas queremos saber os motivos do ocorrido, principalmente investigar se as ações foram resultado da improbidade administrativa que pode estar sendo cometida pela gestão atual”, afirmou Fábio Monteiro.

fonte: http://new.d24am.com/noticias/amazonas/procuradores-chegam-coari-para-apurar-denuncias/127839

Intervenção em Coari independe do aval do Poder Judiciário

Deputados estaduais de oposição e da base do governo defendem que o Estado deve nomear um interventor em Coari

Uma intervenção do Governo do Estado em Coari (a 370 quilômetros de Manaus) independe de aval do Poder Judiciário. É o que afirma o procurador-geral da Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM), Vander Góes. “A decisão judicial é uma das hipóteses para a intervenção e não condicionante”, disse, ontem, para A CRÍTICA por telefone. “Não precisa de aval do Judiciário porque ela (intervenção) é uma decisão política baseada na falta de cumprimento de um dos dispositivos constitucionais que acarretam na necessidade de intervenção”, afirmou. A intenção de uma intervenção no município surgiu após uma revolta popular, na semana passada, contra a gestão do atual prefeito, Igson Monteiro (PMDB). Entre outras coisas, a população reclamou de atraso nos pagamentos de servidores da prefeitura. Na ocasião, incendiaram casas do prefeito e destruíram o carro dele.

Deputados estaduais reagiram ao apelo popular e propuseram a intervenção. Luiz Castro (PPS) protocolizou o pedido pelo Ministério Público Estadual (MP-AM), que ainda vai decidir se propõe a intervenção e, se propuser, será via judicial, meio pelo qual foram frustradas algumas tentativas em 2014.
O líder do governador, Sidney Leite (Pros), por sua vez, protocolizou, ontem, um documento na presidência da ALE-AM em que faz uma provocação formal a José Melo (Pros), para que este envie um decreto de intervenção à Casa. À época do julgamento do pedido de intervenção do MP-AM, que foi provocado por deputados estaduais, no Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), Melo já havia demonstrado interesse em nomear um interventor para o município.

Motivos

Para justificar a intervenção, Sidney Leite afirma que a Prefeitura de Coari não cumpre o percentual mínimo, estabelecido na Constituição Federal, dos gastos com educação. “Temos vários indícios que na área rural tem escolas que não tiveram se quer 50% de aula do calendário escolar ano passado. Outra tem professores contratados que não receberam o salário até hoje. Os catraieiros responsáveis pelo transporte escolar também não receberam. Sem transporte não há aula na maioria das comunidades”, disse. O parlamentar afirma que a cidade passa por um “caos administrativo” apesar de ter o maior orçamento do interior. Sidney Leite defendeu ser preciso sanar essa situação para que “Coari possa viver um clima de normalidade”. O deputado Luiz Castro, que tem seu pedido baseado na paralisação na construção de creches no município, disse que “os pedidos extrapolam os limites entre oposição e situação”. “Todos nós defendemos o fim desses desmandos em Coari”, observou Castro.

Via judicial foi frustrada três vezes

Sob os olhos da imprensa nacional, em meio aos escândalos envolvendo o então prefeito Adail Pinheiro (PRP), hoje afastado e preso, deputados estaduais da oposição propuseram ao MP, em janeiro de 2014, intervenção em Coari. O MP ingressou com o pedido em fevereiro no TJ, que meses depois negou a intervenção ao considerar fraco o argumento de que Adail violou o Estatuto da Criança quando deu posse a dez conselheiros que não haviam sido eleitos pela população. Aditado, o pedido foi reapresentado em junho pelo MP, que alegou risco de vida das testemunhas e vítimas, e que, mesmo afastado, Adail usava a máquina para atrapalhar as investigações. No dia 7 de outubro, o pedido foi negado novamente. O MP recorreu, mas o pedido foi rejeitado novamente no dia 9 de dezembro.

Via judicial foi frustrada três vezes

Sob os olhos da imprensa nacional, em meio aos escândalos envolvendo o então prefeito Adail Pinheiro (PRP), hoje afastado e preso, deputados estaduais da oposição propuseram ao MP, em janeiro de 2014, intervenção em Coari. O MP ingressou com o pedido em fevereiro no TJ, que meses depois negou a intervenção ao considerar fraco o argumento de que Adail violou o Estatuto da Criança quando deu posse a dez conselheiros que não haviam sido eleitos pela população. Aditado, o pedido foi reapresentado em junho pelo MP, que alegou risco de vida das testemunhas e vítimas, e que, mesmo afastado, Adail usava a máquina para atrapalhar as investigações. No dia 7 de outubro, o pedido foi negado novamente. O MP recorreu, mas o pedido foi rejeitado novamente no dia 9 de dezembro.

Cronologia 

8 de fevereiro de 2014 - Adail Pinheiro é preso e Igson Monteiro assume prefeitura.
20 de fevereiro 2014 - MP ingressa com pedido de intervenção no TJ, que é negado.
30 de junho de 2014 - Pedido de intervenção é aditado e reapresentado pelo MP-AM, sendo negado novamente dia 7 de outubro.
9 de dezembro de 2014 - Após MP recorrer, intervenção é negada de vez pelo TJ.
14 de janeiro de 2015 - Revoltada, população incedeia casa de Igson Monteiro.
19 de janeiro - Sidney Leite formaliza requerimento de intervenção ao governador.

Mais 13 dias de mandato

Apesar de cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Igson Monteiro (PMDB) permanece como prefeito por conta da falta de publicação do acórdão da decisão, que só deve acontecer a partir do dia 2 fevereiro, quando a Corte volta do recesso e voltam a correr os prazos processuais. Ele, que assumiu após a prisão do titular do cargo Adail Pinheiro em fevereiro de 2014, caso a defesa não consiga reverter, tem apenas mais 13 dias de mandato . A defesa está recorrendo da decisão do TSE e tentará uma nova eleição no município. Em uma entrevista consedida  AO JORNAL CRÍTICA, semana passada, Igson Monteiro negou atrasos nos pagamentos dos servidores e disse que a revolta em Coari foi coordenada por ex-secretários de Adail exonerados por ele. “ O Adail articulou tudo de dentro da prisão”, afirmou. “A primeira parcela do 13º do ano passado já foi paga, o salário de todos os efetivos que trabalham está em dia, os programas federais, como Fundeb, já estão pagos”, disse.

fonte: http://acritica.uol.com.br/noticias/manaus-amazonas-amazonia-Intervencao-Coari-independe-Judiciario-politica_0_1288671124.html

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Em 2014, TCE condenou gestores a devolver R$ 306 mi aos cofres públicos

 

Manaus - De janeiro a dezembro de 2014, o Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM) condenou prefeitos, ex-prefeitos, presidentes de Legislativos municipais e órgãos da administração pública a devolverem R$ 306,5 milhões que não foram aplicados ou tiveram a destinação incorreta, segundo o tribunal. O TCE não informou quanto deste valor foi efetivamente devolvido, até a última sexta-feira. O valor é referente às devoluções determinadas nas 131 contas julgadas irregulares pelo TCE-AM. Dos R$ 306,5 milhões, R$ 17,4 mil são referentes a devoluções de contas julgadas regulares com ressalvas, no mesmo período.

O tribunal condenou, ainda, os gestores e ex-gestores a pagar R$ 3,313 milhões em multas por não cumprimento à legislação e não atendimento às recomendações do TCE-AM. Os dados estão disponíveis no balanço das prestações e tomada de contas julgadas pelo TCE, em 2014, disponibilizado no Sistema de Informação ao Público (SIP) e informado pela assessoria de comunicação do tribunal. De acordo com dados da assessoria de comunicação do tribunal, de janeiro a dezembro do ano passado, o TCE julgou 272 prestações de contas. Destas, 131 contas foram julgadas irregulares, 68 regulares com ressalvas sem aplicação de multa, 47 regulares com ressalvas com aplicação de  multa e 26 foram julgadas regulares.

Condenações milionárias

Dentre as 131 contas julgadas irregulares, as maiores condenações foram aos ex-prefeitos de Coari Arnaldo Mitouso (PMN), de São Gabriel da Cachoeira Pedro Garcia (PMDB), do prefeito de Carauari, Francisco dos Santos (PSD), de Codajás, Agnaldo Paz (PMDB), referente ao exercício financeiro de 2012, e do ex-prefeito de Boa Vista do Ramos Marlon Trindade (PT), referente ao exercício financeiro de 2011, segundo os dados do TCE-AM. Eles podiam recorrer das decisões. Mitouso foi condenado a devolver R$ 95,1 milhões, além de multa no valor de R$ 62,3 mil por irregularidades à frente da Prefeitura de Coari. De acordo com o TCE, foram identificadas 38 irregularidades nas contas do ex-prefeito. Entre as irregularidades, estão o excesso de cargos comissionados, acúmulo indevido de cargos, pagamentos de gratificações não regulamentadas, que totalizaram R$ 6,5 milhões, ausência de pagamento do salário de dezembro e 13º salário dos servidores e a ausência de comprovação do recolhimento de contribuições devidas no valor de R$ 12,1 milhões.

Após o julgamento, o TCE encaminhou a decisão ao Ministério Público do Amazonas (MP-AM) para ingresso de uma Ação Civil Pública por improbidade administrativa. O ex-prefeito de São Gabriel da Cachoeira Pedro Garcia foi condenado pelo TCE a devolver R$ 47,1 milhões, além de multas que totalizaram R$ 87 mil, por irregularidades na gestão do município. Ele não prestou contas ao TCE-AM e teve as contas tomadas pelo tribunal. Entre as irregularidades identificadas, estão a ausência do envio de balancetes mensais, relatórios de gestão orçamentária e fiscal ao TCE.  O TCE-AM notificou a Receita Federal do Brasil acerca das irregularidades fiscais encontradas na análise das contas.

A situação foi semelhante à encontrada nas contas do município de Carauari. O ex-prefeito Francisco dos Santos foi condenado a devolver R$ 40,2 milhões, além de pagar multa no valor de R$ 56,9 mil pela não prestação de contas dos recursos aplicados em obras. O ex-prefeito de Codajás Agnaldo Paz foi condenado a devolver R$ 23,3 milhões e a pagar R$ 71,6 mil em multas. Ele não prestou contas ao TCE e teve as contas tomadas pelo tribunal. Entre as irregularidades encontradas, estão ausência da documentação relativa às receitas e despesas orçamentárias e extraorçamentárias, da arrecadação dos tributos municipais, além da não aplicação do percentual mínimo em educação. Em Boa Vista do Ramos, o ex-prefeito Marlon Trindade foi condenado a devolver R$ 18,6 milhões e multa de R$ 8,7 mil por não encaminhar os balancetes mensais ao TCE e deixar de prestar contas da gestão orçamentária.

Ressalvas ‘renderam’ multas

As 47 contas julgadas regulares com ressalvas com aplicação de multa renderam R$ 372,1 mil em condenações, de janeiro a dezembro de 2014. Segundo o Tribunal de Contas da União (TCU), as ressalvas são irregularidades de pequeno impacto que não justificam a desaprovação das contas. No Amazonas, as maiores multas decorrentes das ressalvas nas contas foram destinadas ao ex-prefeito de Careiro Joel Lobo (PEN), no valor de R$ 24 mil, ao ex-presidente do Serviço de Água e Esgoto de Boa Vista do Ramos, em 2012, Valdemir dos Santos, no valor de R$ 15 mil, e ao ex-presidente do Legislativo municipal de Barcelos, também em 2012, Josemir Bezerra, condenado a pagar R$ 12 mil em multas.

fonte: http://new.d24am.com/noticias/politica/2014-condenou-gestores-devolver-306-cofres-publicos/127721